UFC vence a luta: MMA é finalmente liberado em Nova York

Depois de 19 anos proibido no estado americano de Nova York, o MMA foi finalmente legalizado hoje. O UFC vence, portanto, esta luta por pontos: a organização fazia há quase oito anos um pesado lobby para poder organizar eventos por lá. A Assembleia Legislativa aprovou a legalização do esporte por 113 votos a favor e […]

Depois de 19 anos proibido no estado americano de Nova York, o MMA foi finalmente legalizado hoje. O UFC vence, portanto, esta luta por pontos: a organização fazia há quase oito anos um pesado lobby para poder organizar eventos por lá. A Assembleia Legislativa aprovou a legalização do esporte por 113 votos a favor e 25 contra. A moção foi agora para a mesa do governador Andrew Cuomo, que já havia expressado sua intenção em assiná-la. Após a assinatura, a Comissão Atlética de Nova York terá 120 dias para seguir as diretrizes. Com isso, todos os estados norte-americanos agora podem sediar eventos de MMA — e o plano de estrear o UFC em um evento no Madison Square Garden em novembro está cada vez mais perto de ser realizado.

Muita gente acreditava que a legalização em Nova York era um caso perdido. A lei que bania o esporte foi promulgada em 1997, no auge da popularidade do vale-tudo. Quando a Zuffa, empresa dos irmãos Frank e Lorenzo Fertitta, que tem Dana White como presidente, comprou o UFC, eles passaram a adotar as Regras Unificadas do esporte, criadas naquele mesmo ano, para torná-lo mais palatável e acabar com seu estigma de violento e de “rinha humana”. Com isso, aos poucos os estados americanos foram legalizando o esporte — menos Nova York, que tornou-se um caso de honra para o UFC. A organização tentou por sete anos pressionar os legisladores estaduais. Fizeram campanhas estrondosas, nas quais usaram muitas de suas estrelas, como os ex-campeões Chris Weidman e Ronda Rousey.

Agora é só marcar a data.