Qual a importância das semanas de moda para o homem comum?

É das passarelas que saem as roupas que você usa no dia a dia, sejam de grife ou de fast fashion. Veja o que será tendência nos próximos meses

No filme O Diabo Veste Prada, a editora de moda dá uma lição à estagiária que não gosta do mundo fashion.

“Sabe este suéter azul folgado que você usa para dizer ao mundo que não liga para o que veste? Bem, isso não é simplesmente azul. É cerúleo. E você não sabe que Oscar de la Renta fez vestidos cerúleos e que Yves Saint Laurent fez jaquetas militares cerúleas. E o cerúleo esteve em oito coleções e acabou nas grandes fast fashion e em pequenas lojas baratas, onde você provavelmente o comprou em alguma liquidação.”

Bem, nós, homens, não sabemos o que é cerúleo. Compreensível. Mas a mesma lógica vale para o guarda-roupa masculino. Se hoje você usa calça skinny, sapato sem meia, jaqueta bomber, acredite: em algum momento isso saiu das passarelas das grandes semanas de moda.

Os estilistas captam tendências das ruas, reciclam o vestuário de décadas passadas e despejam conceitos em peças que logo estarão nas vitrines das próprias grifes, de marcas nacionais ou de lojas de fast fashion.

As semanas de moda têm características próprias. Paris é famosa pela sofisticação, em Londres a criatividade corre solta, Nova York é mais comercial. Milão reúne a tradição de marcas centenárias com a irreverência de jovens estilistas em seu comando.

Veja abaixo algumas tendências apresentadas no mês passado na capital italiana da moda – e, importante, imagine o uso destas peças em separado. Provavelmente é o que você vestirá em breve no escritório ou no fim de semana.

 

Esportivo

 (reprodução/Divulgação)

A inspiração nos esportes, misturada com alfaiataria, segue forte. A Ermenegildo Zegna, tradicional e impecável, apresentou calças com barra jogging nos costumes, além de papetes (sim, para usar com costume) e sneakers.

A Z Zegna, linha jovem da maison, investiu em tecidos tecnológicos à prova d’ água. A Prada, sublime, apresentou cardigãs de cashmere entremeado com náilon.

 

Tons terrosos

 (reprodução/Divulgação)

A VIP já havia cantado essa bola, na edição de abril. Marrons em diversos tons, do creme ao escuro, estiveram nas coleções da Zegna, da Salvatore Ferragamo, da Prada… É chique e menos sisudo do que o preto, mesmo à noite. Viva a natureza.

 

Estampas

 (reprodução/Divulgação)

Os florais vieram forte em bermudas e camisas no verão passado. Continuarão, junto com inspirações geométricas, animal prints e até referências aos naipes do baralho. Que o diga a sempre festiva Dolce & Gabbana. Sem contar o japonismo da Emporio Armani, com estampas típicas, quimonos e bandanas. Para os mais seguros e ousados.

 

Listras

 (reprodução/Divulgação)

O look presidiário-chique apareceu nos casacos e bolsas tote da Zegna, nos costumes levíssimos risca-de-giz da Giorgio Armani e nas bermudas e paletós da Versace.

 

Anos 80

 (reprodução/Divulgação)

A Dolce & Gabbana resgatou estampas do movimento Memphis de design, com figuras geométricas e cores fortes, além do japonismo presente nas jaquetas bomber e camisas de seda. A Prada apresentou shorts bem curtos, inspirações futuristas (até mesmo na decoração do desfile), macacões à la Clash e tênis Converse. E, sim, carimbou: a pochete está mesmo de volta.

 

Irreverência

 (reprodução/Divulgação)

A moda está se levando menos a sério, ainda bem. Muitas grifes estão recrutando pessoas reais e millennials para as passarelas, em vez dos sisudos modelos profissionais.

A Gucci, que apresentou as coleções feminina e masculina em fevereiro, desfilou com o rapper A$AP e o ator Jared Leto. Os designers da Dolce convidaram desta vez o influencer Kadu Dantas e o cantor Pablo Morais.

 

Conforto

 (reprodução/Divulgação)

O homem não quer mais fazer concessão à elegância. A procura pelo frescor se manifestou do grunge, com peças folgadas e sobreposições da Diesel Black Gold, à alfaiataria relax da Salvatore Ferragamo.

A linha Purple da Ralph Lauren, apresentada no Palazzo Ralph Lauren, resgatou até as espadrilhas combinadas com calças, camisas e paletós mais soltos e de tons claros. Sem contar a elegância atemporal da Giorgio Armani, com calças pregueadas folgadas de barra curta.