Calcinha 2.0

O dia em que o Twitter foi invadido por gostosas de lingerie

A vida estava monótona no fabuloso mundo do Twitter, com assuntos como o escândalo Sarney, a morte de Michael Jackson, as eleições no Irã… De saco cheio, o advogado Fernando Gouveia, de 32 anos, conhecido como @gravz, resolveu sugerir um dia dedicado a mulheres de lingerie. “Imediatamente outros caras abraçaram a ideia e passaram a espalhar.” Aí começaram a pipocar fotos de meninas de calcinha, de sutiã, de meia-calça… Nascia o Lingerie Day: 29 de julho de 2009. Aderiram mais de 100 meninas. Delas, Fernando indicou seis para a VIP entrevistar.

@CasadeLouLou Elaine Loureiro Garcia, 30 anos, estudante de fisioterapia
“Meu marido e eu sempre fazemos fotos em casa. Gostamos de ficar brincando disso. Dá uma apimentada. E como eu gosto de provocar, perguntei para ele se eu podia enviar umas fotos para o Lingerie Day. Com o ok dele, postei na hora.”

@lini Aline Gomes, 22 anos, publicitária
“Houve muita feminista falando que ‘tirar foto de lingerie é o ato máximo do machismo’. São todas umas fingidas! Tenho certeza de que elas não reclamam quando tem um macho suando em cima delas, né?”

@lucianasabbag Luciana Sabbag, 26 anos, jornalista
“Não acho que aparecer de lingerie denigre a minha imagem. Não sou menos mulher por isso; ao contrário, eu seria um objeto se nenhum homem olhasse para mim. E que mulher não gosta de ser cantada? Que mulher não se sente bem com elogios?”

@BebsTheGringa
Rebecca Kinsley, 21 anos, canadense, gerente de loja

“Nunca tive problemas com outras pessoas me observando e sempre achei engraçado ouvir o que elas tinham a me dizer a respeito. Por isso, me mostrar no Twitter foi uma injeção no ego, principalmente porque também sinto atração por mulheres e queria ver até onde elas iriam na brincadeira.”

@fernandalizardo
Fernanda Lizardo, 28 anos, analista de transporte
“Mulher que diz que não curte ser chamada de gostosa está fazendo doce.
Não sou menos inteligente porque alguém elogiou minhas coxas.”

@judacoregio
Juliana Dacoregio, 28 anos, jornalista
“Mulher gosta da ideia de ser desejada, de provocar. Acontece com toda garota. Nesse sentido, eu sou muito feminina.”