[Ensaio VIP] Marina Ruy Barbosa, da cor do pecado

Articulada, cheia de atitude e muito mais madura que seus 21 anos fazem supor, a vencedora das 100+ pode até fazer o dia abrir

 (Yuri Sardenberg e Aninha Monteiro/VIP)

Cinco da manhã. Hora de acordar marina para começar este ensaio, em arraial do cabo, no Rio de Janeiro.

Fazia frio, garoava e o céu estava coberto por nuvens naquele dia de outubro. Por causa da agenda corrida, tudo de que dispúnhamos era um dia para fazer a capa com a mulher eleita a 100+ VIP.

São Pedro, Santa Clara, seja lá o santo que fosse, tinha a obrigação de ajudar. Mas quem tem Marina não precisa de mais nada. Bastou ela colocar os pés pra fora para o sol aparecer e saudá-la com um belíssimo bom-dia. E, embora fosse um jeito bem poético de começar um texto sobre Marina Ruy Barbosa, isso não é lirismo – aconteceu de fato.

 (Yuri Sardenberg e Aninha Monteiro/VIP)

Passar um dia ao lado de uma pessoa, em uma situação relativamente estressante (teríamos tempo? Tudo daria certo?), nos faz realmente compreender como ela é. E a carioca Marina, 21 anos, que começou tão cedo sua carreira com participações em filmes e publicidade infantil, é dona de uma personalidade ímpar, articulada.

É feliz. Aquele tipo de pessoa que sabe curtir a vida, que corre atrás dos seus sonhos.

 (Yuri Sardenberg e Aninha Monteiro/VIP)

“Gosto do meu jeito de ser, de pensar e de viver sem filtro. Nada de meias-palavras. Não temos tempo para esses melindres. Gosto das relações verdadeiras e eu acredito que as pessoas merecem o melhor de mim. Sou muito intensa. E isso vale também para as relações de trabalho. Facilita muito”, afirma ela sobre si mesma.

Isso foi fundamental. Ser sexy era pré-requisito na eleição da VIP nos últimos anos, mas agora o que está em jogo é o conjunto da obra. Marina tem a soma das qualidades que consideramos fundamentais.

 (Yuri Sardenberg e Aninha Monteiro/VIP)

“Espero conseguir representar essa mulher, que eu também admiro, que tem atitude, que tem força e vontade para romper desafios e estigmas que ainda pesam nos dias de hoje. Sempre quis ser um pouco de tudo porque acho que nós, mulheres, podemos. Não precisamos nos rotular de uma coisa. Toda mulher pode ser o que quiser, na hora que quiser”, afirma.

 (Yuri Sardenberg e Aninha Monteiro/VIP)

Sobre o ensaio e a capa, Marina, lisonjeada, diz que aconteceram na hora certa.

“É um trabalho que reflete um pouco da minha maturidade profissional e pessoal, obviamente. Como comecei a trabalhar cedo, tenho muito cuidado nas escolhas que faço. Não queria sentir aquele estranhamento ao ver um trabalho com o qual não me identificasse. O meu ofício fala por mim. Eu me tornei adulta trabalhando, fazendo TV, com personagens que me ajudaram a narrar essa trajetória”, conta.

 (Yuri Sardenberg e Aninha Monteiro/VIP)

A recente minissérie Justiça contou mais um capítulo da história da atriz.

“Um texto denso, dramático, incrível. Saí de uma mocinha [Eliza, na novela Totalmente Demais] para viver Isabela, uma jovem forte, impetuosa. E tive uma direção impecável, que soube dar a força necessária às cenas que contaram a breve trajetória da personagem”, resume a atriz.

 (Yuri Sardenberg e Aninha Monteiro/VIP)

Indagada sobre a origem de sua forte personalidade, Marina diz que ninguém a entende melhor que si mesma. “Eu conheço meu rosto, meu corpo, meus impulsos, minhas preferências, meus sonhos. E gosto de seguir meu feeling. Mas isso não significa que eu não esteja aberta para ouvir, para trocar e, principalmente, para ser surpreendida.”

Mulheres fortes, independentes e com foco são suas inspirações. “Minha família, meus amigos e alguns profissionais com quem trabalho ou já trabalhei também. A inspiração vem de perto. Nada de discurso. Sou feito São Tomé, que tem que ver para crer. Gente que trabalha, que rala, que faz a diferença naquilo que se propõe a realizar me inspira”, diz a moça, aparentando mais idade do que a que traz no RG.

 (Yuri Sardenberg e Aninha Monteiro/VIP)

Noiva de Xandinho Negrão, piloto de Stock Car e empresário, Marina diz sentir prazer nas coisas simples da vida.

“Sou fã de arte contemporânea, de ver séries policiais. Amo dançar, me faz muito bem, seja durante uma aula de dança com as amigas, seja de manhã para despertar no chuveiro com uma música alta. E minha vida tem trilha sonora, cada momento uma música. Gosto de lutar, faço aula de boxe. E viajar. Adoro descobrir lugares incríveis, culturas diferentes.”

 (Yuri Sardenberg e Aninha Monteiro/VIP)

Sobre o dia da foto, Marina diz que foi um trabalho feito com enorme cuidado para devolver o carinho dos leitores que a elegeram.

“Claro que deu um frio na barriga, e não poderia ser diferente. Mas escolhemos profissionais incríveis e amigos, uma locação que me deixou confortável para fazer um ensaio bem natural. Eu queria me reconhecer nas fotos. Amo praia, sol. E o dia ajudou bastante. Acho que tudo conspirou favoravelmente. E acho que essa escolha do estilo do ensaio reflete isso. O sensual não precisa estar ligado àquela mulher megaproduzida, maquiada e fatal. Sensualidade vem de dentro, do seu estado de espírito.”

 (Yuri Sardenberg e Aninha Monteiro/VIP)

Ao som de Seu Jorge, que tocava ali num quiosque próximo, fizemos a última foto e nos despedimos de Marina, enquanto ela dançava e cantarolava. “Felicidade é viver na sua companhia.Felicidade é estar contigo todo dia…”

A felicidade é nossa, Marina.

Estilo: Juliano Pessoa e Zuel Ferreira
Beleza: Rafael Senna
Realização: Gabi Comis