[Ensaio VIP] Mariana Rios, água na boca

Linda, sensual, gente boa... a lista de adjetivos que caem bem em Mariana daria para encher esta piscina. Mergulhe de cabeça!

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

Há quase quinze anos, Mariana Rios saiu do município de Araxá, em Minas Gerais, para tentar emplacar uma carreira de atriz e cantora no Rio de Janeiro. É um sonho comum, mas nem todas as aspirantes conseguem.

Hoje, ela conta o que enfrentou para chegar aonde chegou. Também esclarece que tem um conceito de sensualidade diferente do normal. Seja lá como for, a gente concorda e gosta muito.

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

Você estreou em 17º lugar nas 100+ da VIP deste ano. Como recebeu a notícia? Você valoriza esse tipo de reconhecimento?

Meu assessor ligou para contar, fiquei superfeliz. Eu acho que esse é o momento em que começam a acontecer várias coisas ao mesmo tempo na carreira. Fico feliz com a votação por ser uma coisa positiva. Mas vejo a sensualidade de maneira diferente. Não está em você ter um corpo bonito, ser chique ou se vestir bem. Está no jeito que a pessoa é, do modo como ela conversa, como vê a vida, como leva a vida. Na sua espontaneidade, que é o principal.

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

Você acha que os votantes enxergaram isso na sua pessoa pública, além do corpão, na hora de votar?

Eu prefiro pensar que sim, para mim é isso mesmo. Tenho amigos que não têm uma beleza nítida, mas te conquistam de um jeito tão especial, com uma leveza, que acabam ficando supersensuais.

Você tem fama de boa cozinheira e já disse que gosta bastante de comer.

Minha família sempre cozinhou muito bem. Todo mundo fica na cozinha inventando um monte de coisa. Tenho uma tia formada em gastronomia, meu pai já teve um restaurante. Cresci nesse mundo da culinária. Mas só fui aprendendo a tomar gosto depois que comecei a morar sozinha.

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

Com que idade saiu de casa?

Com 18 anos, saí de Araxá e fui morar sozinha no Rio. Desde os 8 anos de idade que canto e sempre tive vontade de ser atriz, cantora, de estar no meio da arte. Quando fui para o Rio, não conhecia ninguém, então fiquei em várias repúblicas até morar sozinha mesmo, começar a ter as minhas coisas.

Várias repúblicas? Foi uma fase muito movimentada?

Nossa, morei em muitos lugares diferentes. Na Tijuca, com duas amigas. Depois, na Glória, com outras duas amigas. Depois, Tijuca de novo, com minha tia, a Neida, que me ajudou muito quando estava no meio dessa loucura. Depois, Copacabana, com outra amiga. Depois, Ipanema, com meu melhor amigo. Só quando passei no teste para fazer Malhação que comecei a morar sozinha, ter o meu próprio lugar. Essa fase de me mudar demais durou uns três anos e meio.

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

Devia ter muita festa. Você conseguia se concentrar no trabalho?

Ah, eu vim para o Rio com um foco, um objetivo de vida. Tinha que correr atrás de dinheiro para pegar ônibus, coisas básicas mesmo. Me mudei sem casa, sem carro, sem nada fixo. Não tinha tempo nem disposição para farrear. Eu também tinha um prazo para começar a conseguir as coisas no Rio. Se não desse certo, teria que voltar para minha cidade.

E onde você trabalhou tanto antes de conseguir entrar na Globo?

Olha, me esforcei bastante. Tudo que podia fazer para ganhar um dinheirinho eu fazia. Panfletei no centro da cidade, vendi bijuteria, vendi trufa. À noite, fazia shows em barzinhos, em casas de show.

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

Como eram esses shows? Dava para tirar uma grana melhor?

Nada. Os lugares estavam sempre cheios, e eu ganhava, sei lá, R$ 17 por noite. Ganhava pouco para cantar, mas não deixava de fazer isso. Quando você se muda para um lugar onde todo mundo quer a mesma coisa, tem que se esforçar mais ainda. Então, mesmo não ganhando quase nada, não parava de fazer shows com a banda. Avisavam: “Olha, são R$ 20 para cada um, para cantar por três horas”. A gente ia lá e cantava.

O que vocês costumavam tocar?

Quando você canta em bar, tem que tocar um pouco de tudo, porque fazem muitos pedidos. A gente começava com um Cranberries, depois mudava para umas mais lentas da Alanis Morissette. Tocávamos Pearl Jam também. Depois, uns forrozinhos, sempre pediam [risos].

Qual era o sucesso da época, um que vocês tinham que tocar em todo show?

Na época, todo mundo pedia para tocar aquela Tô Nem Aí, da Luka [risos]. Tudo que estava na moda, pediam.

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

No meio dessa correria, pensou em desistir e voltar para a casa da família?

Pensei em desistir de tudo algumas vezes, porque era bem puxado. Mas fui chamada para fazer um teste na companhia de teatro do Oswaldo Montenegro. Passei, iniciei uns musicais e as pessoas começaram a me ver, a me conhecer.

Parece que música sempre foi sua prioridade. Você chegou a gravar um CD depois de aparecer em Malhação. Mas desistiu da carreira de cantora?

Quando estava finalizando a segunda temporada de Malhação, gravei o CD, fiz o show de lançamento no Canecão, comecei a divulgar o trabalho pelo Brasil. Daí, fui chamada para fazer Araguaia, emendei com um filme, com outro, com Salve Jorge… Não é que a música ficou de lado, mas minha prioridade virou outra. Mas quero fazer musical, continuar na música. Só que, neste momento, não dá para conciliar.

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

Você costuma fazer personagens cômicos. Mas gosta também dos dramáticos?

A Nancy [personagem que interpretou na novela Araguaia] não tinha nem um pouco de comédia, era uma personagem complicada. Mas tenho preferência em fazer papéis bons, que sejam diferentes de mim. Tem uma atriz que admiro muito, a Charlize Theron, que fez Monster e ganhou o Oscar. Foi bem incrível, parecia outra pessoa mesmo. Acho que isso que é bacana, as pessoas não olharem você como você é. Mas a gente consegue fazer esse tipo de papel mais em filme. Novela é algo mais realista.

Ficaria feia como a Charlize Theron em Monster?

Lógico! Quero fazer personagens incríveis.

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

Costumam inventar muitos boatos sobre você?

Quem está nesse meio está sujeito a isso. Mas, quando tem algo que me incomoda de verdade, vou ao Twitter e falo diretamente com o público sobre a questão.

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

Quais os boatos que mais te irritaram?

Já disseram que eu participei do programa Fama, mas nunca fui nem aprovada. Eu gravei um vídeo para mandar para o primeiro Fama. Passei na primeira fase. Mas, quando fui fazer a segunda, viram que eu tinha 16 anos e vetaram minha participação. Fiquei supertriste, mas não podia fazer nada. Mas o que mais incomoda é quando falam que você disse algo que você não falou. Especialmente quando envolvem pessoas próximas. Disseram que estava causando problema no meu trabalho, que estava fazendo exigências. Vira uma bola de neve e todo mundo aumenta um ponto. Eu levo a minha profissão muito a sério. Primeiro vem minha família e vida pessoal, depois, meu trabalho.

Mariana Rios

 (Daniel Aratangy/VIP)

Fotos: Daniel Aratangy
Estilo: Yan Acioli
Realização: Andrea Bueno
Produção de moda: Lyka Ribeiro
Beleza: Junior Mendes
Assistente de produção: Cora Sabourin
Assistente de fotografia: Fernando Fuchigami
Tratamento de imagem: Marisa Tomas (CTI Abril)

Ensaio originalmente publicado na edição 333 da revista VIP, em dezembro de 2012.