Projeto fotografa mulheres antes, durante e depois de um orgasmo

O ensaio quer desmistificar os tabus sobre a sexualidade feminina e tratar o tema de maneira mais leve

 (Marcos Alberti/Reprodução)

O fotógrafo brasileiro Marcos Alberti é fascinado em retratar expressões faciais.

Seu primeiro grande trabalho atrás das lentes foi a série fotográfica 3 Taças Depois, no qual ele convidou diversos personagens para serem fotografados enquanto tomavam três copos de vinho.

O resultado foram quadros divididos em quatro que mostravam a progressão da sessão de bebedeira.

 (Marcos Alberti/Reprodução)

Inspirado nos ensaios anteriores, a empresa de produtos sexuais feminino Smile Makers convocou o brasileiro para um ensaio com uma proposta ligeiramente diferente: usando o ideia de progressão do desafio do vinhos, ele fotografou 20 mulheres antes, durante e depois do orgasmo.

 (Marcos Alberti/Reprodução)

Com o ensaio, a empresa e o fotógrafo queriam desmistificar e quebrar tabus da sexualidade feminina. “Todas as mulheres merecem ter controle de sua sexualidade, não importa de onde vem. Elas devem se sentir livres para se empoderar e se divertir com sua sexualidade”, explicou Marcos ao comentar o projeto em seu site.

 (Marcos Alberti/Reprodução)

Ao falar sobre a missão por trás do projeto, a gerente global da marca, Fan Yang, declarou que “a sexualidade feminina é muitas vezes envolta de vergonha e segredos. Nossa parceria com o Marcos criou um ensaio que subverte o estigma social em volta da sexualidade feminina, encorajando a normalização do prazer da mulher”.

 (Marcos Alberti/Reprodução)

“Todas as mulheres que modelaram para o ensaio estavam cientes do que estavam fazendo, especialmente na última foto, onde estavam lindas e radiantes”, continuou Yang.

“Nas fotos finais, com mulheres fortes e sorridentes para a câmera era exatamente o que queríamos ver. Nós esperamos que todas que vejam este projeto se sintam mais confiantes em relação ao seu corpo e à sua sexualidade”.

 (Marcos Alberti/Reprodução)

O projeto apresentou mulheres de diferentes nacionalidades. Desde americanas e francesas, sexualmente mais liberais, até chinesas e cingapurianas, criadas em ambientes mais reprimidos.

 (Marcos Alberti/Reprodução)

“Quando você trata de um tabu com leveza e certo humor, as pessoas começam a se abrir e expressar suas opiniões mais livremente, o que pode levar a uma grande mudança na mentalidade delas”, finalizou Marcos.

 (Marcos Alberti/Reprodução)

 (Marcos Alberti/Reprodução)

 (Marcos Alberti/Reprodução)

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Olha, como cresci culturalmente com essa matéria!

    Curtir

  2. E quando a mulher finge, qual a cara que ela faz?

    Curtir

  3. Ricardo Silva

    well, vejo que elas fizeram uso de brinquedos, tipo vibrador, ou até mesmo os dedos das mãos, portanto, os homens precisarão de esforços e competências para tal. não basta ter pau, mas dedos vibrantes e outros apetrechos. agora, a veja peca por estes tipos de reportagens. deixou de ser séria.

    Curtir