Abra o olho 3

TARTARUGAS
Cada um senta em seu devido cockpit. Hora de diferenciar os homens dos meninos. Eles trocam ameaças: “Vou acabar com você”. Partem para dez minutos de aquecimento e reconhecimento do trajeto de pouco mais de 1 quilômetro. Os karts podem chegar a 65 km/h, mas nossos amigos vão em marcha-tartaruga. Ninguém esconde a tensão. Nem o tesão pela brincadeira que está prestes a começar. Naquele momento, são todos muito mais meninos do que homens.
 
LEBRES
Quem abre a micareta é um grupo de samba. Stéfanie, boa baiana, manda ver no gingado. As amigas seguem. Tem coisa mais sensual que mulher sambando? Tigrões vão se aproximando, e Marina é obrigada a mostrar a aliança de casada. O abusado rebate mostrando a própria aliança no anular esquerdo. “Que absurdo, ele é casado!”, cochicha Monica com a amiga. Um marmanjo entorpecido pede para tirar foto com as garotas. Para fugir da muvuca, elas se mandam para o camarote que a VIP havia reservado.
BANDEIRADA
Sinal verde e começa a corrida. Nossos cinco pilotos têm a companhia de outros kartistas, bem mais velozes. Fernando, a 10 por hora, acena para o público que não existe. Jayson é ultrapassado por Ricardo, que ganha o direito de zoar o amigo pelo resto da vida. Igor derrapa e beija a proteção de pneus. E as trapalhadas se seguem até o final. Gustavo é o quinto no geral, mas o primeiro da turma. Ganhou a vida.
 
HORA DO RUSH
Olha a muvuca. O Chiclete com Banana entra no palco. As meninas já tomaram algumas vodcas e dançam sem parar. Saudade da vida sem namorado? Que nada. Mas saber que mexem com os homens massageia o ego. Elas extravasam a alegria de estarem juntas. “A fila andou, eu te falei, não deu valor, como eu te amei” , canta Bel. Na micareta, a fila delas não andou. “Espero que nem por lá”, fala Wanessa, lembrando da balada dos meninos.
LOIRAS GELADAS
Os rapazes livram-se dos macacões e passam a falar alto ao mesmo tempo. Comentam a corrida, as mancadas, as manobras, sacaneiam uns aos outros. E sentam no bar do kartódromo. As latinhas de cerveja e os salgadinhos vão se multiplicando. “Vamos para outra balada”, alguém sugere. E estalam os copos em mais um brinde. Até que Igor diz: “Cara, acho que vou gorfar”. E a gargalhada explode, como acontece toda semana.
 
GATAS SUADAS
O fôlego delas parece não ter fim. Elas adoram dançar. Nossas cinco gatas deram um show à parte no camarote. Mas, para o azar da festa, decidem ir embora antes de o show acabar. Querem evitar a muvuca. Entre bêbados trôpegos, pedidos de telefone e olhares invejosos, elas voltam à van. Fim de balada, elas tinham mais alguns quilômetros de conversa. Entre os temas, a vontade de se encontrar de novo na semana seguinte.

1 | 2 | 3