Os 12 trabalhos (mais maneiros) de Hércules

Ilustracões – Negreiros

Ganhar dinheiro é mais do que importante, é essencial. Mas a grana que cai na sua conta a cada mês não pode ser o único critério para definir o que é um bom emprego.

Gostar do que faz é ótimo. Então, se você é do tipo que gosta de fazer nada, seu ideal é um trabalho em que não precise fazer nada além de respirar. Acredite, até um trampo assim a gente encontrou nesta lista de empregos de sonho.

Falando em sonhos, se você só pensa em mulher bem-vindo ao clube , trabalhar rodeado de gatas é sua meta. Também descobrimos um ofício que deixa o cara assim, cercado de beldades. O melhor: são endinheiradas e costumam ficar alegrinhas facinho, facinho.

Até para procurar mulher bonita e beber cerveja tem emprego. Descubra aqui o emprego mais bacana. Talvez seja hora de dar uma virada na sua vida. No bom sentido. Aí vai a nossa contagem regressiva dos 12 trampos que dispensam férias e aposentadoria. A cada dia, uma nova carreira dos sonhos. No final da série, você concluirá, tristemente, que seu trabalho é realmente um saco.

12 |TORCEDOR DE FÓRMULA 1

O bicampeão de F-1 Fernando Alonso está recrutando um novo empregado para uma vaga inusitada: a de torcedor profissional. O funcionário terá de acompanhá-lo durante toda a temporada, ir aos autódromos, aos treinos e, é claro, assistir às corridas, quando terá acesso diferenciado aos boxes, ao paddock e até ao pódio (se o espanhol estiver lá, é claro).

Por isso, o candidato deve ter disponibilidade paraviajar pelo mundo e não se importar em ficar em hotéis cinco estrelas, os mesmos onde se hospedam equipe e pilotos. Ele será uma espécie de relações públicas, fará o meio-de-campo entre Alonso e o conjunto de seus fãs. Será um representante deles em todas as atividades pro gra madas para o piloto, estando sempre ao lado dele, diz Ingrid Bos, diretora de RH do Ing Group, um dos patrocinadores da Renault e responsável pela iniciativa. Por isso, além das corridas, ele terá de ir a festas, jantares e outras comemorações. Em troca receberá um salário mensal de 3 mil ou cerca de R$ 5,5 mil, além de alimentação, hospedagem, e seguro de saúde.

Para nós, brasileiros, o emprego teria um atrativo extra: seguindo Alonso, o sortudo poderia também acompanhar de perto e até torcer disfarçadamente por Nelsinho Piquet, companheiro do espanhol na Renault.

Mais de 35 mil pessoas se inscreveram para a vaga. Cada uma deixou um vídeo e uma declaração de porque acha que deve ser escolhida. Para a temporada deste ano, a vaga já foi preenchida, mas a iniciativa vai se repetir em 2009.

Os interessados devem ficar atentos aos prazos no site www.aficionadoprofesional.com


11 | OLHEIRO DE GOSTOSAS
Nossa, como você é linda! Já pensou em ser modelo? Se você já tentou aplicar esse xaveco, sabe queé bem difícil se dar bem com ele. E sabe por quê? Porque tem um monte de mané fazendo a
mesma coisa.

Mas tem um tipo muito especial de gente que não leva uma gargalhada (ou coisa pior) na cara quando diz um troço desses para aquela gata na balada. E, de novo, sabe por quê? Porque o cara é profissional, ganha (e ganha bem) para isso e porque, provavelmente, ele estará dizendo a verdade. Esses caras com licença para xavecar são selecionadores de modelos e trabalham para grandes agências.

Marco Aurélio Rey, 46 anos, é um deles. Diretor da agência Ford Models e um dos profissionais mais respeitados do meio, é pago para achar mulheres bonitas e transformá-las em modelos bem-sucedidas. Eu bato o olho, converso, entrego um cartão e a convido para visitar a agência. Pra ver que a história é séria, que não é xaveco, diz Marco Aurélio, que ajudou a revelar nomes como Talyta Pugliesi, Camila Espinosa, Milena Toscano e Mariana Weickert (nada como trabalhar pelo bem da comunidade, não é
mesmo?).

Ele conta que já encontrou candidatas a tops em cinemas, faculdades e até trabalhando como garçonete em restaurantes moderninhos. Às vezes, estou de férias e dou de cara com uma menina linda na praia. E, quando penso em chegar e ir falar com ela, lembro: Pára, Marco, você está aqui pra relaxar, não para trabalhar. Segundo ele, quando não está na rua à caça, um olheiro está na frente do computador
olhando fotos e ou em reuniões com jovens pretendentes à profissão. Ê, dureza.

10 |BARMAN DO CARIBE
Que tal ganhar uns US$ 3 mil por mês para passar o dia inteiro na piscina com americanas de biquíni, suecas de topless e francesas que fazem biquinho para pedir mais uma caipirrinhá para você? Essa é a dura rotina dos bartenders dos resorts cinco estrelas das ilhas caribenhas.

Desde que Tom Cruise popularizou o malabarismo de garrafas no filme Cocktail, cadavez mais carinhas descolados do mundo inteiro os brasileiros são recrutados às pencas em St. Maarten buscam essa mamata: você vai estar cercado de mar azul, areia branca e mulheres bronzeadas por todos os lados, não vai gastar um tostão do salário, pois cama e rango são por conta do hotel e, se o tempo virar, é possível que você nem tenha de sair da cama. Difícil encontrar alguma desvantagem.

Você não tem medo de furacão, tem? Rapaz, é tanta mulher que você vai precisar escolher um alvo. Tem as hóspedes, muitas vezes gatas ricas e solteiras que viajam às ilhas justamente para soltar a franga. E há as colegas garçonetes, monitoras, camareiras, recepcionistas… São meninas de tudo quanto é canto que, feito você, querem ganhar um dinheiro e se divertir ao mesmo tempo. Uêpa!

Só é bom ser discreto, pois os patrões não costumam ver com bons olhos a galinhagem dos funcionários. Você, é claro, precisa saber preparar drinques. Fale com os caras da Associação Brasileira de Barmen -um curso profissionalizante dura 40 horas e custa R$ 460.

Para ir ao Caribe, é bom ganhar prática num bar bacana, onde é capaz de o olheiro de um resort te oferecer essa chance, já que não há como se inscrever. Ah, sim: falar inglês é fundamental, e uma terceira língua facilita ainda mais. Aí é só partir para o abraço. E para o beijo. E para…

9|GAMER DO EXÉRCITO AMERICANO
A guerra de verdade está cada vez mais parecida com um videogame: aviões, tanques e outras armas do exército dos esteites hoje são comandados por quem fica atrás de uma tela, com teclado e joystick.
Assim, nada mais lógico que investir em jogadores de primeira linha para desenvolver táticas e testar equipamentos que, no fim das contas, não dão uma vida extra ao personagem perdedor.

As Forças Armadas americanas têm centros de desenvolvimento que mais parecem incubadoras de games. Para testar os simuladores de vôo e de combate, contratam aqueles carinhas que têm calo no dedo de tanto disparar bazucas de mentira em afegãos virtuais.

Os milicos gringos bancam web games em que todos os participantes são cadastrados e monitorados. Eles rastreiam pela internet os caras com bom desempenho. Você fica em casa matando inimigos e
nem imagina que tem um tenente Kowalski interessado na sua habilidade de tocaiar um homem-bomba iraquiano.

Assim, um adolescente que bate recordes nos joguinhos pode receber a qualquer hora a visita de oficiais
com a oferta irrecusável: casa, comida, farda lavada e US$ 60 mil anuais para ficar o dia inteiro jogando videogame. O mais jovem contratado até hoje foi Vic Goodryn, de 16 anos. Mas não se iluda: os caras são militares e, se você for bem demais, é capaz de ser chamado para aniquilar algum vilarejo perto
de Bagdá, Mosul ou Kirkut.

Quem não liga para isso pode entrar no site oficial de games do exército e demonstrar suas habilidades:
www.americasarmy.com.

8 | CHOFER DE IATE
Não é para qualquer um: é preciso saber velejar ou navegar e gostar do mar. Alguma habilidade para boiar e dar umas braçadas, em caso de emergência, também é recomendável. Se você se encaixa no perfil, é apaixonado pelo mar, mas não tem seu próprio barco, já pensou em navegar o barco dos outros?

Calma lá, essa atividade é totalmente lícita e regulamentada. E, melhor, não pára de crescer. Cada vez mais gente está investindo em lanchas e veleiros como alternativa para viver em contato com a natureza
e buscar qualidade de vida. Os preços caíram e essa opção está mais acessível. Isso aumentou o número de viagens pela costa.” É o que conta o santista Marcos de Assis, 26 anos, que acaba de chegar de Miami, onde foi buscar um iate de 42 pés, que um empresário paulista acabou de reformar.

O capitão free-lancer recebeu R$ 12 mil pela viagem de 14 dias, ainda teve seguro de vida para ele e a namorada, que foi com ele. Pô, 14 dias sozinho no mar ninguém merece. Este ano, Marcos esteve em Salvador, Recife, Fernando de Noronha, no Caribe venezuelano, na República Dominicana e no Panamá.

Para Noronha teve que voar às pressas. Era uma terça-feira, perto do meio-dia e eu estava indo à padaria, quando meu celular tocou, conta. Era um amigo com uma oferta de trabalho. Um empresário carioca estava mergulhando quando sua mulher teve um acidente e eles tiveram que voltar, deixando o veleiro de 40 pés para trás.

Desgraça de um, alegria do outro, dizia minha mãe, brinca Marcos, que voou imediatamente para lá. De noitinha eu já estava em Noronha, tomando uma cerveja no convés, com aquele vento na cara, conta.E conclui: Como é a vida, né?

Outro que vive atrás do timão é Eduardo Miranda, 50 anos, que se cansou do estresse de Campinas e decidiu, em 1996, se mudar para seu veleiro de 30 pés. Em Ubatuba, litoral norte de São Paulo, por três
anos, viveu no próprio barco. Você gasta pouco, é só a alimentação, e além disso cuida você mesmo da manutenção e limpeza. Mas, como não fazia o tipo hippie de praia, Eduardo comprou uma lancha de 41 pés e passou a organizar passeiospela costa de São Sebastião a Angra dos Reis, cobrando cerca de R$ 2 mil por dia.

Além de paisagens lindas, a compensação do trampo é a mulherada. Enquanto você fala comigo no telefone, tem uma atriz maravilhosa na minha frente, gravando um filme. Pena que não posso dizer quem é, desconversa.

7 | JOGADOR DE PÔQUER
O pôquer virou mania não é de hoje. Mais do que mania, virou uma grande indústria, um baita negócio. Com grandes torneios transmitidos pela TV, com a febre do pôquer on-line, o jogo ganhou aficionados, praticantes e fãs declarados. E com eles, vieram os patrocinadores.

Hoje, um jogador profissional bem ranqueado não põe a mão no bolso para apostar ou pagar sua inscrição nos torneios. Além da grana dos patrocinadores, os promotores do evento têm grande interesse de sediar grandes torneios que atraem dinheiro para hotéis, cassinos e empresas de turismo.

Com mais dinheiro em torno da mesa é natural que tenha aumentado também a grana sobre o pano verde. O que vem atraindo gente como Fred Bittencourt, que tem 40 anos e joga pôquer desde os 15. Há um ano e meio, Fred começou a jogar o Texas Holdem modalidade mais difundida hoje, e, seis meses depois, se tornou campeão carioca. Ganhou patrocínio da Associação Carioca de Pôquer e da Federação de Carteado Profissional e o que era paixão virou seu ganha-pão. Só em uma das etapas
do torneio em 2007 na qual ele saiu vencedor, ele levou R$ 5,5 mil. Em outubro, faturou outros R$ 15 mil, em três torneios.

Além da grana, o que me atrai é a adrenalina. Além disso, você viaja bastante e conhece gente do país todo, diz Fred. Agora, ele se prepara para disputar o World Series of Poker (WSOP), a copa do mundo do pôquer, em Las Vegas. O último campeão levou US$ 12 milhões. Nenhuma outra modalidade paga algo parecido.

Outro jeito de ganhar com o pôquer é encarar jogos on-line. Um jogador entre os 200 melhores classificados nos rankings dos sites de pôquer ganha pelo menos US$ 100 mil por ano. Mas o mais legal do on-line é que você pode treinar bem nos sites sem apostas antes de encarar partidas valendo grana. Alguns endereços para treinar: www.partypoker.com, http://www.pokerstars.com e http://www.pokerroom.com.

Nosso repórter conferiu de perto a vida do jogador de pôquer em um torneio na Costa Rica. Veja como foi

6 | DORMINHOCO DA NASA
Esse emprego tem curta duração,mas é imbatível no quesito ganhar dinheiro sem fazer nada. Para testar os efeitos da microgravidade no organismo, cientistas espaciais americanos estão contratando cerca de 36 pessoas para que elas fiquem deitadas durante três meses seguidos.

Elas só podem levantar para fazer o número 2 o número 1 vai na comadre mesmo. Refeições e todo o resto, só na horizontal. O salário: cerca de R$ 29 mil pelos três meses desgastantes.

5 | ÁRBITRO DE GOLFE
Você gosta de longas caminhadas ao ar livre? Valoriza o contato com a natureza? Ar puro? Belas paisagens? Então imagine passar o dia entre jardins bem cuidados, bosques, lagos e ravinas na companhia de gente interessante e educada. Bom, agora imagine que esse é o seu emprego e que, geralmente, você não vai precisar fazer nada além do que foi descrito acima.

Essa é a rotina dos árbitros de golfe, um esporte em que cada jogador é seu próprio juiz, marcando a pontuação, o número de tacadas e até as infrações que comete. Os árbitros só entram em cena quando são chamados para ajudar a tomar decisões, fato raríssimo, quando há dúvidas sobre um ou outro detalhe das regras ou sobre os procedimentos que devem ser adotados de acordo com regulamentos específicos do campo, conta Steve Gow, árbitro da Associação Britânica de Golfe.

É comum que, durante rodadas inteiras do circuito profissional que duram de quinta a domingo , o árbitro nem abra a boca, diz Steve. Aí é só caminhar, respirar fundo e apreciar a paisagem. No Brasil, a profissão não é tão valorizada, mas está crescendo e há cursos para árbitros na Confederação Brasileira de Golfe: golfe@cbg.com.br.

4 | MESTRE CERVEJEIRO
Dentro das grandes cervejarias, o cargo é exercido por funcionários de carreira, geralmente há muito tempo na empresa. Afinal, tomar cerveja é fácil, mas ser mestre não é assim não, meu filho, requer
bom preparo. Na AmBev, a dura rotina é seguida por Daniel Baumann. Para isso, ele fez faculdade de engenharia de alimentos, um curso técnico em Vassouras (RJ) e dois no exterior (Chicago e Alemanha).
Eu avalio produtividade, processo de fabricação, projetos de inovação, entre outros. Passo só 5% do meu dia degustando.

Diferentemente dos degustadores de vinho, que cospem o líquido degustado, os de cerveja engolem. Mas, ninguém sai trançando as pernas. São no máximo dez amostras por dia. De cada uma, dois ou três goles. No fim do dia, não passa de uma latinha, jura Daniel, que também avalia o aroma do lúpulo e até a água que será usada na fabricação da cerveja.

Depois que ela fica pronta, ele analisa cor, espuma, temperatura, aroma. Testo até com a audição: se abro a garrafa e ouço um barulho estranho, ela pode estar com baixa carbonização. Resultado: reprovada!

3| DEGUSTADOR DE CERVEJA
Ele só pensa em loiras, morenas e ruivas. E ainda é pago para isso. Fabiano Bellucci, de 21 anos, é degustador de cerveja do bar Frangó, famoso pela carta de cervejas, considerada uma das melhores da cidade de São Paulo, com 200 rótulos de 15 países. Tenho de estar antenado, em busca de tendências e, claro, acabo bebendo bastante.

A função do degustador é atualizar a variedade de cervejas que um restaurante ou bar oferece. Por isso, é ele quem recebe as novidades das importadoras e distribuidoras. Com temperatura e copo certos, avaliamos aroma, cor, permanência na boca. Mas, se temos seis tipos de cerveja, tomamos no máximo
100 ml de cada. Se a gente beber uma garrafa inteira, na terceira não sente mais nada, conta Fabiano.

Outra obrigação do degustador é harmonizar os diferentes tipos de cerveja com pratos variados. Ou seja, tem de experimentar um monte de cerveja, comer um monte de comida e dizer qual cerveja é melhor com qual comida. A cerveja Orval é mais encorpada e vai bem com um queijo forte, como o roquefort ou camembert, exemplifica Fabiano, que costuma viajar para a Europa e visita feiras e cervejarias em busca de novidades.Não posso deixar de ir atrás das minhas queridinhas: as inglesas e as belgas.

2| DESENHISTA DO SUPERMAN
Quase todo moleque já rabiscou um super-herói quando tinha 10, 11 anos. Mas tem gente que insiste,
tem talento e se dá bem, passando a ganhar a vida fazendo isso.

Atualmente, um desses teimosos com talento é Renato Guedes, o brasileiro que desenha o gibi do Superman nos Estados Unidos. Ok, você não fica rico, mas paga as contas, faz o que gosta todo dia e é admirado por fãs no mundo todo.

E tem mais: ganha gibis e DVDs de graça e é obrigado a passar boa parte de seus dias lendo e assistindo a todos eles. Com 25 anos, o Renato acha legal trabalhar em casa, no horário que quiser e sem ninguém
para encher o saco. A única pressão que mexe com você nesse trabalho é o prazo. Ficar com fama de cumpridor de prazos dá a maior moral. O resto é tranqüilo, diz.Outra coisa legal de um desenhista de quadrinhos, segundo Renato, é receber convites para ir a convenções de gibis no mundo todo.

1 | FOTÓGRAFO DA VIP
O trabalho é tão sensacional que todos os meses a gente fica se perguntando se não é o caso de parar de pagar por ele. Talvez até a gente possa cobrar algum. Se não, vejamos: quantos caras têm a chance de ficar ali, horas a fio, diante das gatas mais gostosas do Brasil?

Tá certo, é tudo muito profissional e coisa e tal… você já ouviu essa história. Mas concorda comigo que é melhor ser profissional numa sessão de fotos com a Fernanda Vasconcellos do que numa reunião com um gerente de banco?

Fotógrafo há 20 anos, o ÂngeloPastorello não faz só ensaios sensuais e nus não (mas se pudesse…). O portfólio inclui trabalhos de moda, beleza e publicidade, mas ele reconhece que fotografar as mulheres mais lindas do Brasil traz um retorno bem grande.

Ele já colaborou com as principais revistas masculinas do país e, só aqui na VIP, registrou beldades como as ex-BBBs Grazi, Flávia e Carol, e, nesta edição, fotografou uma nova sensação, Caroline Miranda.

Sobre o glamour em torno de ser pago para ter mulheres espetaculares na mira, Ângelo pede muita calma nessa hora. Claro, há o momento de arregaçar as mangas, coordenar uma equipe e na maioria das vezes fotografar mulheres sem intimidade com a câmera. Tá legal, Ângelo, mas diz uma coisa aqui para a gente, que não tem mais ninguém ouvindo: você gosta ou não gosta?

Lógico, porra! E não tenho essa de separar o fotógrafo do homem. Eu olho a mulher com desejo de homem, e assim a fotografo. Se você é homem que gosta de mulher, você fotografa como um homem que gosta de mulher. E ponto final.

COLABORARAM PATRÍCIA JULIANELLI e FELIPE VAN DEURSEN