O topless de Luciana Gimenez e a importância de usar filtro solar

Nós apoiamos - e curtimos muito - a iniciativa, mas lembramos que é preciso tomar cuidado ao tomar sol para não torrar e detonar sua saúde!

Luciana Gimenez está na Itália… tomando um sol, curtindo o verão europeu e fazendo topless! Nós, obviamente, apoiamos a prática, mas também lembramos que, apesar de fazer um bem danado, pode causar sérios problemas se não o levarmos a sério. Por isso, selecionamos dicas (e produtos) para curtirmos o sol bem protegidos!

Cuidado para não torrar!

Apenas 20% dos homens passam protetor solar diariamente, antes de sair de casa, segundo uma pesquisa que fizemos com 616 leitores aqui na VIP. “A maioria dos homens teme que a pele fique pegajosa e esbranquiçada pelo protetor, não tem uma rotina de cuidado ou alega que está sempre correndo e não tem tempo para isso”, afirma a dermatologista Camila Meccia, da CD Clínica Dermatológica, no Rio de Janeiro. A primeira lição em relação à proteção solar, portanto, é esta: nunca saia de casa sem aplicar o filtro nas áreas que vão estar expostas (ou, ao menos, no rosto). Mesmo que esteja chovendo – a radiação do sol atravessa as nuvens.


Apaixonada ⛵️⛵️🇮🇹🇮🇹🇮🇹👙💋☀️🦂

A post shared by Luciana Gimenez 🦂🦂 (@lucianagimenez) on

Ficar pimentão leva até 24 horas

Em termos médicos, o processo de virar um camarão é conhecido por eritema. As ondas UVB não penetram muito profundamente na pele, mas causam uma reação fotoquímica na epiderme, a camada superficial. A resposta natural do organismo é ativar o sistema imunológico: o fluxo de sangue é aumentado (vasodilatação) e pode ocorrer congestão dos vasos capilares e inchaço (edema), geralmente um sinal de inflamação. Uma molécula de proteína, chamada CXCL5, ativa a produção de células imunológicas em resposta à radiação UVB. Acredita-se que essas moléculas que causam aquela dor e ardência associadas à vermelhidão, estimulando terminações nervosas na pele. Todas essas reações não ocorrem de imediato: elas levam entre 8 e 24 horas. Por isso que quando saímos da praia tudo parece bem – e depois do banho ou no da seguinte é que percebemos o estrago.


Raios UVB são os mais perigosos

A radiação ultravioleta (UV) que vem do sol e provoca queimaduras na pele podem ser de dois tipos: UVA e UVB. Como qualquer radiação eletromagnética, elas têm ondas de frequências específicas. Os raios UVA têm entre 315 e 400 nanômetros. Os UVB, entre 280 e 315. Os efeitos danosos da luz solar geralmente estão nas ondas entre 290 e 400 nanômetros. A atmosfera terrestre filtra grande parte desses raios danosos, e 95% dos que atingem a terra são UVA – os demais, UVB.

Cleanance Solar FPS 30, R$ 59,90 (50 ml) – Avène, eau-thermale-avene.com.br

Muitos filtros não protegem contra os raios UVA

Ok, os raios UVA podem não ser os mais perigosos, mas também causam danos, como envelhecimento e câncer de pele. Preste atenção: há no mercado protetores que só bloqueiam os raios UVB. Para ter certeza de que você está realmente protegido, procure nos rótulos do produto a ação antiUVA e antiUVB.


Há dois tipos de protetor solar

Os filtros solares têm como função impedir que os raios UVA e UVB façam mal à pele. Mas há duas formas de isso acontecer. Os protetores físicos (ou inorgânicos) são compostos por minerais como óxido de zinco e titânio, que contêm substâncias refletoras ou dispersoras da luz – são aqueles, portanto, que formam uma cobertura e não são absorvidos pela pele. Já os químicos (ou orgânicos) possuem uma série de substâncias químicas que reagem com a pele e absorvem a radiação. Com isso, as moléculas do produto ficam agitadas, mas voltam depois ao estado natural, o que faz com que a pele receba uma fração de energia solar menos agressiva – o resto acaba refletido. A pele não sofre agressões por causa dessa reação.

Capital Soleil Bruma Hidratante FPS 30, R$ 74,90 (200 ml) – Vichy, 0800-7011552

 

Não adianta se lambuzar de filtro

Existe uma quantidade correta de protetor solar para a pele. Usar menos do que o recomendado não é eficiente e passar mais é desperdício. O ideal é dois miligramas de protetor por centímetro quadrado de pele. O que isso significa? “Existe uma regra básica da ‘colher de chá’ para medir a quantidade de protetor a ser aplicada”, afirma Camila. “Aplique uma colher em cada uma dessas regiões: rosto, cabeça e pescoço. Braço e antebraço são 1 colher em cada lado. Coxas e pernas, 2 colheres de cada lado. Tronco frente e costas, 2 colheres.”