Passar 8 horas sentado no escritório pode matar você. De verdade!

Câncer colorretal, câncer de mama, infarto, derrame, diabetes... A lista de males é extensa

 (Pixabay/Reprodução)

Se você, como eu, costuma passar o dia sentado em frente ao computador, prepare-se para uma má notícia: estamos encrencados.

Ficar uma jornada inteira com a bunda na cadeira, apontam estudos recentemente divulgados, faz com que aumentem nossas chances de desenvolver doenças graves, que podem levar à morte.

E hoje passamos muito mais tempo sentados do que no passado. Culpa da tecnologia, que nos tornou mais sedentários.

Segundo uma pesquisa feita pela Norwegian School of Sports Sciences, de Oslo, e publicada pelo British Medical Journal, as pessoas atualmente não estão se movimentando o suficiente a ponto de evitar cinco males crônicos: câncer de mama, câncer colorretal, infarto, derrame e diabetes.

Há como reverter o quadro. Os cientistas descobriram que o tempo necessário de atividade física para contrabalancear nossa jornada sentados é entre uma e duas horas por dia.

É bastante, mas não precisa ser exercício forte. Pode contabilizar aí o tempo que você passa andando, limpando a casa, cuidando do jardim, passeando com o cachorro, subindo escadas etc.

Atenção: isso tudo não vai fazer você perder peso — apenas evitar os malefícios da cadeira. Mas tem mais.

De acordo com a American Heart Association, não ficar sentado tanto tempo pode fazer mais por nossa saúde do que praticar exercícios pesados permeados por períodos de pura preguiça. A recomendação é: levanta dessa cadeira.

Ande muito dentro da empresa. Vá buscar água no bebedouro no outro departamento, almoce em algum local um pouco mais distante, use as escadas e não o elevador, vá até a mesa de seu colega de trabalho em vez de conversar com ele pelo chat do Facebook ou o Gtalk, marque reuniões em outros andares (e vá de escada), saia na rua para tomar um café no meio da tarde.

Só não vale usar isso como desculpa para atrasar o trabalho.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você