Químico dos EUA afirma ter criado pílula para ressaca

Cápsulas cheias de enzimas ajudam o corpo a processar o álcool mais rapidamente

Pílula ressaca

 (Pinterest/Reprodução)

O Prêmio Nobel (da Paz para a nossa cabeça) tem um forte candidato neste ano.

O professor Yunfeng Lu, Engenheiro Químico da Universidade da Califórnia (UCLA), está atuando ao lado do também professor Cheng Ji, especialista em doenças do fígado da Keck School of Medicine, da University of Southern California, no desenvolvimento de uma pílula capaz de reduzir consideravelmente os efeitos do álcool no organismo.

A pesquisa trabalha com três enzimas capazes de converter o etílico em moléculas inofensivas, principalmente no fígado.

Até o momento, a “droga” foi testada em ratos e conseguiu boa performance: reduziu a circulação de álcool no sangue e manteve baixo o acetaldeído, responsável pelas dores de cabeça e vômitos.

No estudo, o tratamento diminuiu em 45% o nível de alcoolismo no sangue em apenas quatro horas.

Mais: os animais que tiveram as enzimas injetadas recuperaram a disposição habitual mais rápido na comparação com aqueles que não as receberam. 

O time de cientistas está numa fase adiantada de testes para garantir a segurança e eficácia da substância, se possível, sem nenhum efeito colateral.

Caso o cronograma não seja interrompido por nenhum desastre, a expectativa é estender os ensaios para humanos dentro de um ano. 

A relevância da pílula vai para além da bebedeira ocasional.

“Entre 8 e 10% das visitas a emergências nos EUA são causadas por envenenamento agudo por álcool”, diz Lu

Pior ainda, “o álcool é o principal fator de risco para mortes prematuras entre pessoas de 15 a 49 anos”, complementa. 

Newsletter Conteúdo exclusivo para você