8 valiosas lições de conquista para ela cair na sua

Travou na hora de abordar uma mulher? Para ajudá-lo a driblar a ansiedade, convocamos um time feminino para dar conselhos sobre a nobre arte do xaveco

xaveco

(santopapo/Reprodução)

Em alguns momentos, as mulheres podem intimidar os homens. Afinal, elas estão cada vez mais descoladas, perspicazes e sem amarras na hora da sedução.

E não é sempre que um cara está pronto para jogo: tanto a insegurança com o desempenho quanto circunstâncias complicadas de vida (como a ferrugem depois de um término de relacionamento, por exemplo), podem travá-lo na hora do approach.

Se você se deparar com essa barreira, saiba que não há nada a temer.

O que não pode é desperdiçar a chance de conhecer alguém bacana por medos ou suposições. Basta seguir as dicas certas, dadas por quem entende do assunto, que não vai demorar muito para ganhar (ou recuperar) o jogo de cintura necessário com as gatas.

A gente foi atrás de um time feminino, desde especialistas em assuntos sexuais até garotas experts em xaveco, que ajudou a montar as recomendações para encarar a tensa jornada que é a conquista.

Uma coisa é certa: depois de ler esta reportagem, você vai se dar muito bem!

Se você sente medo de não ter repertório ao puxar papo

nao-sabe-o-que-falar

(Youtube/Reprodução)

É um receio comum, mas ótimo sinal. “Se preocupar com isso significa que não quer só pegação. Quem não tem bagagem intelectual não se dá conta desse problema”, diz Raphaela Maia, instrutora de pole dance de São Paulo.

“Sempre há assunto para se aproximar, mas o mais importante é sentir que a garota quer a aproximação”, revela Raphaella Avena, DJ do Rio de Janeiro.

Ok, mas sobre o que falar? Leve em consideração o local onde estão: eis o tema do approach.

Numa balada dá para conversar sobre a música que está tocando, os DJs da noite, shows etc. No barzinho, é possível puxar papo sobre cervejas ou pedir sugestões de drinques.

Porém, se vocês já trocaram informações básicas um sobre o outro e estão engatando o primeiro date, proponha uma ida ao cinema, ao teatro ou à exposição, em vez de investir na pressão de um jantar a dois.

“Dessa forma, o próprio evento vira assunto e a conversa flui naturalmente”, diz Juliana Bonetti Simão, psicóloga especialista em sexualidade, de São Paulo.

Só tome cuidado para não entrar, de cara, em temas polêmicos que podem causar desconforto. Deixe de lado política, religião e outros tópicos do gênero, certo? Também não tente ser quem não é.

“Essas atitudes podem colocá-lo numa cilada. Ninguém consegue segurar o personagem por muito tempo e, o que era pra ser um bate-papo pré-pegação, acaba virando uma perda de tempo e de paciência para ambos”, declara Fernanda Pauliv, professora e palestrante de artes sensuais de Curitiba.

Se não sabe o que falar, escute! As mulheres adoram um bom ouvinte. “Se você ouvi-la com atenção, vai aprender coisas valiosas sobre a garota e isso pode ser um grande trunfo futuramente.”

 

Se tem vergonha da própria imagem ou do corpo

desconforto-com-o-corpo

(Pixabay/Divulgação)

Estar de mal com o espelho pode afetar a maneira de chegar em uma mulher, pois autoconfiança é a peça fundamental durante a investida.

Mas como se sentir confiante se o espelho reflete sinais de calvície, baixa estatura, barriga de chope e/ou nariz um tanto descombinado do resto do rosto?

Valorize o que acha legal no seu visual e desencane. Muitas vezes, só nós enxergamos nossas inseguranças“, explica Roberta Pelaes, estilista de São Paulo.

“Antes de sair, passe um bom perfume e coloque sua roupa favorita, aquela que mostra sua personalidade. E lembre-se de cada característica que faz de você uma pessoa única”, indica Raphaela Maia.

Invista na simpatia e naquilo que você sabe que tem de melhor. “Utilize o `defeito¿ a seu favor, sendo espirituoso. Diga, por exemplo, “O gordinho aqui é bom de pegada. A maioria das mulheres aprecia uma resposta bem sacada e com bom humor”, diz Aline Castelo Branco, educadora sexual e pesquisadora do núcleo de sexualidade da Unesp, em São Paulo.

Vale lembrar que mulher não dá tanta importância ao visual quanto os homens.

“Somos afetivas e sensoriais. Mais do que o físico, o que nos atrai é um homem de atitude, que nos valorize e que conduza bem o sexo”, explica a terapeuta sexual Carla Cecarello, sexóloga de São Paulo e fundadora da Associação Brasileira de Sexualidade (ABS).

No entanto, se a questão da aparência o incomoda tanto, considere realizar algumas mudanças em sua vida que podem refletir na autoestima. Que tal iniciar uma dieta, caminhar, frequentar a academia?

Se nada disso funcionar, avalie a possibilidade de fazer uma terapia, já que geralmente o desgosto com aspectos externos indica que algo não vai bem no psicológico.

 

Se o receio é de broxar

cortando-madeira

(Pixabay/Reprodução)

Esse pânico já passou pela cabeça – o trocadilho não foi intencional! – de quase todo ser humano munido de um pênis. A ansiedade e a pressão pela performance podem, literalmente, colocar seus planos abaixo.

“Se você se preocupar com o que a mulher está pensando, gostando ou que nota vai dar ao seu desempenho, vai desviar sua atenção dos prazeres para as inseguranças. Aí, acontece o triste broxar ou gozar rápido demais”, afirma Arlete Girello Gavranic, psicóloga de São Paulo e pós-graduada em educação sexual.

Aposte nas preliminares e lembre-se que sexo não é só penetração. “Vê-la excitada fará com que se excite também”, diz Raphaella Maia. Se não quer arriscar mesmo assim, adiante a volta para a casa.

“Faça as coisas sem precipitações. Caso precise de mais encontros para se sentir mais à vontade com a moça, providencie isso. Não ceda às cobranças de que tentar uma transa é o que se espera de um homem. É furada”, diz Carmen Cerqueira Cesar, psicoterapeuta de São Paulo.

Se seu pior pesadelo se concretizar, não deixe a tensão tomar conta. Diga à musa que a empolgação ficou difícil de controlar.

“Converse, aproxime-se novamente e relaxe. Com bom humor e paciência, logo vocês entrarão no clima de novo. Ah… e para evitar uma situação como essa, também é bom não abusar do álcool”, diz Raphaela Maia.

 

Se a trava é porque acabou de ficar solteiro e está enferrujado

crazy-stupid-love

(Youtube)

“Seduzir é como andar de bicicleta. Você pode até estar destreinado, mas não perde o jeito”, diz Thábata Tubino, atriz e produtora cultural do Rio de Janeiro. Porém, os desajeitados são atraentes aos olhares femininos.

É charmoso ver um homem enferrujado, coisa rara entre os solteiros. Use isso a seu favor, brincando com a situação ao puxar conversa“, indica Ligia Baruch Figueiredo, psicóloga de São Paulo.

A fragilidade masculina é encantadora, mas com moderação. Nada de ficar remoendo o passado durante o papo com a garota, que com certeza vai considerá-lo um mala.

“Nessa hora vale mais a pena pensar no que não dizer do que no que dizer. Não conte em detalhes a história do término do namoro.

Mesmo que a mulher pergunte, isso não significa que vai querer ouvi-lo falar sobre a ex”, diz Samantha Feehily, assessora de imprensa de São Paulo.

Antes de partir para o ataque, faça um estudo de campo para checar como está funcionando a lógica do xaveco. Quanto mais tempo fora do mercado, maior a dissonância com a nova ordem sexual.

Preste atenção na maneira como as pessoas interagem, como as garotas reagem às abordagens e de que forma são essas investidas.

Uma ideia é fazer um estágio com os amigos solteiros. “Antes de se aventurar sozinho, saia em turma e observe. Isso pode ajudar a evitar tocos que venham minar sua confiança.

Outra dica: só saia à caça se estiver bem resolvido com a sua situação anterior”, diz Fernanda. Aí, lance mão de abordagens simples, mas diretas, como “gostei do seu jeito, podemos conversar?”. E nada de bancar o pegador, desesperado para recuperar o tempo perdido.

Você só vai fazer papel de bobo e afastar as mulheres, acredite.

 

Se ela intimida por ser mais velha

ashton kutcher

(Imagem Filmes/Divulgação)

Em primeiro lugar, cuidado com os elogios. É óbvio que as mulheres mais velhas apreciam se sentir bonitas e desejadas como quando eram mais jovens. Porém, não fale o quanto elas são/estão gatas para a idade. E jamais, sob hipótese alguma, use o termo “enxuta”.

Enxuta é sua conta bancária, por exemplo. Nunca uma mulher.

Bom, se ela se interessou por você (que é mais novo), não queira bancar um senhor. “Trate-a com maturidade, sim, mas seja você mesmo. Não perca sua personalidade nem se sinta intimidado.

Mulheres que gostam de homens mais novos adoram a espontaneidade dos novinhos”, diz Raphaella Avena. Esse tipo de mulher deseja um parceiro seguro, decidido e que se banque.

“Não no sentido financeiro. A musa quer um homem que tenha orgulho de sair com ela em público, que a apresente para os amigos e encare sem dilemas os filhos dela – se houver”, afirma Fernanda Pauliv.

Sua pouca bagagem de vida pode ser um trunfo, claro, mas evite se comportar como uma criança mimada. Fazer cenas de ciúme e colecionar “amigas” nas redes sociais são os piores erros que você pode cometer.

“A mulher mais velha não quer disputar território, mas ser a dona do pedaço.”

Mais: não se intimide diante da experiência sexual dela, que provavelmente deve ser mais vasta do que a sua. Dê seu melhor, sem pedir comparações de desempenho ou encucar com a performance.

“Não tenha medo de ousar e de propor novidades entre quatro paredes. A mulher vai saber como valorizar e recompensar não só o seu fôlego de garoto, mas também seu repertório”, afirma Fernanda.

 

Se ela o amedronta, pois é muito mais nova

clooney

(Golden Globe)

Se a garota for menor de idade, pense duas vezes antes de iniciar o approach.

No Brasil, manter relações sexuais com pessoas menores de 14 anos é crime. E o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) tem por princípio a proteção aos jovens de até 18 anos e, eventualmente, até os 21.

Embora culturalmente a sociedade valorize a beleza e a conquista das novinhas, o policiamento e a polêmica em torno do assunto é grande.

Enfim, não sendo a gata uma criança, use seus anos a mais como pontuação extra. “Garotas normalmente gostam de caras mais velhos. Eu mesma namoro um homem com 11 anos de idade a mais.

É legal mostrar uma experiência, passar uma segurança. Só não dá pra achar que é o pai dela, né? Tudo deve ser dosado”, conta a estilista Roberta Pelaes. Evite, portanto, assumir uma posição paternal, distribuindo conselhos e lições de vida, implicando com atitudes, manias e roupas da menina ou dando broncas por considerar infantil tudo o que ela faz ou fala.

Sua maturidade e seu belo look grisalho não o tornam dono das verdades absolutas, ok?

Na hora da abordagem, é bom evitar chegar com um papo muito cabeça, mas também é ruim querer se passar por alguém tão descolado para a idade – pode parecer infantiloide.

“Seja leve, divertido, bem-humorado. Salvo exceções, pessoas mais novas costumam ser mais abertas a conversar.

Então, dificilmente você será expulso da rodinha ou levará um fora de cara”, revela Raphaela Maia.

Um erro comum dos mais maduros é acreditar que a pouca experiência de vida das novinhas é sinônimo de inexperiência e ingenuidade.

Não se iluda: a internet acelerou a maturidade das mais novas. Além disso, com aplicativos de bate-papo, redes sociais e o aumento do número de seguidores, as garotas acabam sendo mais assediadas — esses ambientes dão a falsa impressão de intimidade, mesmo para aqueles que convivem com a moça no dia a dia, como os colegas de faculdade ou de trabalho dela.

Então, não queira competir. “A sorte é que a maioria das mulheres ainda é romântica por natureza e essa virtude, acredite, pode não ser muito comum entre caras. Se você conseguir ser atencioso sem ser piegas, o jogo vira a seu favor”, garante Fernanda. Assim, você fica sem concorrentes.

 

Se você sente que está fora do seu habitat

batman adam west

(Keystone / Equipa/Getty Images)

Você curte uma boa roda de samba, mas a garota que atiça os seus hormônios ama virar a madrugada numa balada eletrônica?

Ou, então, é ligado em academia e a mulher por quem você suspira é do tipo que dispensa o halter e ataca um hambúrguer? Calma!

As diferenças dão tempero aos relacionamentos e saber lidar com essas disparidades fortalece o vínculo.

O conselho principal é: saia da zona de conforto e encare as novas possibilidades. “Mostre flexibilidade e bom humor. Ela vai adorar a ideia de apresentá-lo a um mundo novo e perceber que você é um cara aberto para novidades, e não um chato”, diz Lígia.

Se você não souber como se adequar ao lugar ou ao momento, explique para a a garota que está se sentindo um tanto perdido. Se for sincero, ela vai curtir a possibilidade de guiá-lo para uma perspectiva mais interessante.

O ideal é abrir a mente. “Deixe-se levar. Não feche a cara ou fique resmungando quando estiver em um programa diferente do que está acostumado, afinal ninguém o obrigou a estar naquele lugar”, revela Samantha.

Não precisa fingir que está superenturmado, mas evite críticas severas. No fim das contas, é possível que se divirta além do esperado. E a moça certamente vai recompensá-lo indo a algum lugar que você gosta.

 

Se está constrangido porque não tem grana nem para rachar a conta em um encontro

dinheiro moeda

(Christopher Furlong / Equipa/Getty Images)

Seja sincero e abra o jogo. Mais uma vez, expor uma fragilidade pode contabilizar pontos a favor em vez de queimar o filme.

É bem melhor do que enfrentar o estresse de sair com a moça para jantar e passar a noite toda contando os centavos mentalmente cada vez que vocês abrirem o cardápio.

O clichê “em tempos de crise, use a criatividade” pode e deve se adequar aos dilemas amorosos.

Não deixe de viver bons momentos por falta de dinheiro, nem de permitir que a moça banque tudo. Também pense fora da caixa e aposte no inusitado. “Que tal propor um jantar à luz de velas na varanda ou no quintal?

Ou, melhor ainda, comprar uma garrafa de vinho e admirar o pôr do sol em alguma parte diferente e interessante da cidade?”, diz Lígia. Tudo vai depender de como você vai vender o programa pra ela. “Chega de mimimi e encare a situação como homem”, diz Fernanda.

Passeios no parque e visitas às exposições custam bem barato. “Sair à tarde também evita grandes gastos.

Vocês podem tomar um café ou um sorvete, por exemplo. Lembre-se de que cavalheirismo não tem nada a ver com poder aquisitivo, e toda mulher gosta.

Ela vai ficar encantada se você tratá-la com carinho”, revela Raphaela Maia. Em tempos de empoderamento feminino, dinheiro não é o problema.