Cinco mitos desvendados sobre a sua ejaculação

É possível ter um orgasmo, por exemplo, mesmo sem ejacular

 (Shutterstock/Reprodução)

A ejaculação tem um significado muito grande para os homens e para a relação sexual. Virilidade, fertilidade, gozo, sacanagem, o fato é que, muito embora as mulheres possam variar (porque sempre variamos) entre a admiração e o nojo, se um homem não ejacula ativa-se um alerta, como se algo estivesse errado.

É o costume. Por isso, aqui vão alguns mitos da ejaculação masculina.

Mito 1: orgasmo e ejaculação andam juntos

Para a maioria dos homens é assim, pois o organismo associa os dois fenômenos para fins reprodutivos. No entanto, para os adeptos do sexo tântrico, é possível ter um ou mais orgasmos (a sensação deliciosa deles) sem ejacular, o que garante mais tempo de pênis ereto – assim, mais penetração, envolvimento, carícias e afins.

São homens “injaculadores”, que têm “orgasmos secos”. Mas não pense que é fácil dissociar: envolve muita atenção aos sentidos, controle dos músculos pubococcígeos, concentração, respiração e treino. É uma outra forma de fazer sexo.

Interessou-se? Procure manuais sobre sexo tântrico ou mestres no assunto. Vale lembrar que há homens que removeram a próstata e que, portanto, têm o que chamamos de ejaculação seca: ele tem orgasmo e ejacula, mas, como o líquido seminal não é mais produzido (pela próstata), nada sai.

Mito 2: ejaculação precoce não tem cura

O problema tem cura para a maioria dos homens que sofrem com essa disfunção – desde que haja treino, que envolve técnicas de compressão e masturbação. Com ele, o homem identifica os sinais de seu corpo e faz um trabalho para melhorar a ansiedade.

Só que há um grupo de homens que tem ejaculação precoce primária de nível grave, que acontece a vida toda, com menos de 1 minuto de penetração. Ela pode ser desencadeada por uma perturbação do sistema nervoso.

Por isso, é sempre importante a avaliação de um urologista (para descartar possíveis causas físicas) e a consulta a um terapeuta sexual (para a melhora dos sintomas).

Mito 3: é bom ser atleta sexual

Embora seja uma condição que acometa cerca de 4% dos homens, temos percebido ligeiro aumento dos que apresentam incapacidade de ter orgasmo (e, portanto, ejacular) por sentirem-se pressionados em manter a ereção para uma penetração prolongada.

Chega uma hora que o corpo cansa e perde-se a ereção. Portanto, ser um “atleta sexual” pode ser um feitiço que vira contra o feiticeiro. Medo de engravidar a parceira ou problemas emocionais podem também causar a disfunção.

À medida que os homens envelhecem, é comum que demorem mais tempo para atingir o orgasmo e nem sempre ejaculem em todas as relações sexuais.

Mito 4: o sêmen é máscara de beleza

Por ser rico em minerais, zinco, aminoácidos, proteínas, hormônios e vitaminas, a mulherada adora contar vantagem dizendo que fez uma máscara facial que deixou a pele incrível.

Sem comprovação científica, é papo de boteco e você não deve cair nessa: nem todas as mulheres curtem essa ejaculação no rosto, que empasta o cabelo e arde o olho – e as que gostam não gostam sempre. Na dúvida, evite!

 

Ana Canosa é psicóloga clínica, terapeuta e educadora sexual, e acredita que a ejaculação tem forte apelo erótico no jogo sexual.