Orgasmos falsos: tudo o que você precisa saber sobre

Segundo estudos, 80% das mulheres fingiram gozar pelo menos uma vez na vida

collage

 (YouTube/Reprodução)

Quando ela chega com aquela cara alucinada, com aquele olhar que devora você, já sabe, não é?

Em curtos ou longos relacionamentos, perceber os sinais dela é essencial para saber se a hora é de provocação, carinho ou até de ficar bem quietinho para não levar um tabefe vindo da TPM.

Com relação aos orgasmos (dela), a coisa é bem parecida.

Assim como no resto dos comportamentos, os ganhos de entender o que ela expressa na cama são enormes.

Caso contrário, a confusão pode gerar problemas.

No caso do clímax sexual, é bem provável que você já tenha experimentado algumas manifestações do corpo confundidas com o grande momento (mesmo que você, garanhão, não tenha notado…)

Mas o pior de todos os casos é quando a mulher precisa fingir orgasmo – algumas vezes por problemas próprios, mas a maioria por falta de dedicação ou compreensão do parceiro.

Além de atrapalhar a transa em si, problemas desse tipo podem refletir no andamento da própria relação. Em outras palavras: ela satisfeita é algo que precisa e deve acontecer.

Para descobrir se a coisa é ou não real, já que ela pode ter vergonha de contar, veja você mesmo como detectar um orgasmo fake (e faça sua parte!).

 

1. Como saber

orgasmo-vip

 (Youtube/Reprodução)

Ainda que o estigma teatral da pornografia nos sugira que o orgasmo feminino é uma verdadeira possessão demoníaca, depende de cada tipo de corpo.

Sim: vê-la possuída muitas vezes é um sinal de que tudo anda bem, mas não podemos generalizar.

A terapeuta sexual e de relacionamentos Courtney Geter explica que as coisas não necessariamente se relacionam.

Podem haver contrações musculares – como dedos dos pés torcidos, mãos arranhando a cama e aquela posição da coluna que parece quebrar a qualquer momento – e um ritmo cardíaco alto.

Os sinais também são visuais.

A especialista fala que os grandes lábios (a parte externa da vagina) podem ficar avermelhados, além do aumento temporário do clitóris.

Para o fingimento, segundo Geter, é possível perceber um “complemento” com sons forçados feitos com a boca, que muitas vezes não condizem com a expressão corporal.

Outro ponto importante para detectar a mentira é, segundo Antonia Hall, uma frase: “rápido, rápido”.

Pra ela, que é autora de “O Guia Final para uma vida de orgasmos múltiplos”, isso pode ser um sinal de que ela quer gozar rápido, de qualquer jeito, para tudo acabar rápido.

Ou de que isso pode fazer você gozar rápido e a coisa acabar de vez.

“Quando as mulheres estão realmente aproveitando, não vão encorajar a coisa a ir mais rápido e acabar logo”, diz.

 

2. É algo muito frequente?

mulheres fingem orgasmo

 (Pixabay/Reprodução)

Antes que você estufe o peito e fale que nas suas transas isso é uma exceção, aqui vai um dado.

Estudos revelam que cerva de 80% das mulheres já fingiram um orgasmo ao longo da vida.

Algumas, inclusive, até mais.

Outro dado que choca tem a ver com relacionamentos longos.

Especialistas, como Hall, falam que é mais provável que mulheres em (e frios…) relacionamentos de anos/décadas finjam ainda mais, principalmente se todo o resto (como vida pessoal e profissional) anda bem.

Ou seja, a coisa pode estar bem maquiada.

“Infelizmente, é algo incrivelmente comum e a maioria delas já passaram por isso uma vez. Cerca de 3/4 não consegue sequer chegar lá apenas com penetração e dependem de estímulos no clitóris”, explica a psiquiatra.

 

3. E por que eles fazem isso?

Tédio

 (Wikipedia Commons/Reprodução)

Se tantas mulheres estão nessa situação – e não estão satisfeitas como merecem – por que é que não se fala disso?

Pressão social, autoestima do parceiro e até mesmo o risco de gerar uma crise na relação fazem disso um verdadeiro tabu.

Para muitas, como conta Geter, fingir é algo necessário para manter o relacionamento numa boa.

Como muitos homens crescem com a ideia machista e errada de que há uma obrigação por fazê-la gozar, não conseguir isso pode gerar uma frustração.

Para elas, então, é mais fácil resolver tudo com uns gemidos a mais.

Quando as intenções unilaterais do homem dão lugar a um relacionamento amoroso bastante sincero, a problema pode ter outro nome.

Algumas podem evitar isso para não fazerem o parceiro pensar que é insuficiente.

Para que tudo fique bem, o necessário é abrir mão do egoísmo e promover um diálogo saudável e sem filtros.

 

4. Os homens também fazem isso?

Mulheres ficam entediadas no sexo com o mesmo parceiro após um ano

 (AMC/Reprodução)

É possível?

Sim.

Claro que não é tão fácil, já que há elementos físicos que comprovem o orgasmos, como a ejaculação.

Mas pelas mesmas razões, um homem também pode ou acelerar o processo ou mesmo gozar de forma “automática”.

A especialista conta que “orgasmo e ejaculação são coisas diferentes, ainda que geralmente aconteçam de forma simultânea”.

Muitos homens podem presenciar um orgasmo sem ejacular, como podem ejacular sem sequer ter uma ereção.

 

5. E o que fazer se ela de fato finge?

porno-sexo-vip-3

 (Getty Images/VIP)

O primeiro passo é perceber e aceitar que isso tem grandes chances de ser um problema da sua parte.

Mas a resolução só pode existir de forma conjunta.

Mesmo se você não encontrar algum dos indícios listados acima, pedir feedback de forma construtiva e saudável é essencial.

Veja o que ela quer, o que gostaria mais e deixe claro que não irá ficar ofendido – ou pelo menos não vai surtar.

A dica dos especialistas é achar um local calmo e privado para conversar (e não discutir) sobre a vida sexual.

“É hora de falar sobre o papel do orgasmo na vida dos dois, falar de expectativas e de como essa obstinação por gozar não deve ser mais importante do que outros prazeres do sexo”.

“É mais importante saber o que ela realmente quer em vez de dar apenas o que a sociedade ensina”, diz Hall.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você