5 apps para turbinar o cérebro — sem muito esforço

Mais do que meros passatempos, aplicativos com jogos de lógica, memória e conhecimentos gerais ajudam de verdade a sua cachola

(Divulgação/VIP)

Do famigerado Tetris ao açucarado Candy Crush, passando pelo colorido Bubble e o tradicional jogo de paciência, quem nunca se pegou viciado em um game-chiclete que atire a primeira bala.

A novidade é que, nos últimos anos, os desenvolvedores aliaram-se a neurologistas, psicólogos e outros cientistas para criar jogos que, além de viciantes, façam bem ao cérebro também. “Os aplicativos têm desafios para memória, velocidade de resposta, mudança de atenção e foco, entre outros estímulos. São baseados em testes que fazíamos no papel com pacientes. Com a internet, é muito mais rápido aplicar e obter os resultados”, afirma Ivan Okamoto, neurologista do Núcleo de Memória do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

“Ainda não existe um estudo que prove exatamente como eles agem. Mas o embasamento me parece correto. E eles são úteis, sim, para estimular o cérebro.”

A partir dos 50 anos, a velocidade que levamos para processar as informações começa a diminuir. “A prevenção deve ser feita durante a vida toda, com muito estímulo. E a pessoa é capaz de aumentar as reservas cognitivas mesmo depois dos 60 ou 70 anos”, diz o neurologista.

Testamos alguns dos melhores apps para turbinar o cérebro e contamos como funcionam.

 

Lumosity

(Divulgação/VIP)

O que faz?

Com cerca de 30 jogos, trabalha cinco estímulos: memória, atenção, velocidade de raciocínio, flexibilidade (para multitarefas) e resolução de problemas.

Como funciona?

Desenvolvido por um time de cientistas e designers, oferece uma série de games diferentes por dia, para treinar esses aspectos cerebrais. A ideia é que o usuário faça cinco minutos de exercícios para a mente pelo menos cinco vezes por semana.

Ao se registrar, você pode informar quais capacidades quer melhorar.

Por exemplo: em relação à resolução de problemas, é possível optar por aperfeiçoar a agilidade para fazer cálculos ou tomar decisões mais lógicas.

O app cria então um programa personalizado. Conforme você joga, o Lumosity aumenta o grau de dificuldade dos desafios ou acrescenta outros novos.

Quanto custa?

Tem um modo gratuito de experimentação. Já a liberação do conteúdo total custa a partir de US$ 3 por mês.

 

Brain Wars

(Divulgação/VIP)

O que faz?

São dez tipos de jogos que desenvolvem foco, memória e raciocínio lógico. A diferença é que você compete sempre com algum outro usuário – então a velocidade é um fator fundamental.

Como funciona?

Você entra no app e desafia uma pessoa qualquer (de vários países do mundo) para três rounds de jogos em tempo real.

A cada round, há três opções de games. Por exemplo, jogos de atenção em que você precisa dizer se um número que apareceu na tela é maior ou menor que o anterior.

Os resultados de cada jogada saem na hora e, depois dos três rounds, você recebe a pontuação total e descobre se ganhou ou perdeu.

Com isso, sobe ou desce num ranking mundial e vai mudando de categoria – e, assim, ganhando “vidas” e “moedas”, que ajudam a durar mais no jogo.

Quanto custa?

É gratuito e, por isso, se você quiser “vidas” ou “moedas”, tem de assistir a vídeos. É também possível comprar isso, a partir de US$ 2 (ou 20 “moedas”).

 

Mente Turbinada

(Divulgação/VIP)

O que faz?

Oferece jogos em 3D para melhorar a memória, concentração, raciocínio, linguagem e percepção.

Como funciona?

De longe, é o que tem os melhores gráficos, todos em 3D – e com enredo. Foi lançado por um grupo de médicos e neurocientistas.

Eles também criaram o IDC, ou índice de desenvolvimento cerebral, por meio do qual o app mensura suas áreas cognitivas e avalia sua atividade.

Ele então oferece treinamentos personalizados, de 15 minutos diários, formados por jogos selecionados de acordo com as áreas que você precisa exercitar mais.

E cada fase do treino tem games balanceados de acordo com a sua progressão.

O aplicativo propõe uma meta de 90 minutos de jogos por semana.

Quanto custa?

Você pode ter gratuitamente apenas um treino, com três jogos e acesso parcial ao IDC. Se quiser todas as funcionalidades, o preço é R$ 15 por mês.

 

Peak

(Divulgação/VIP)

O que faz?

Desafia sua memória, habilidade para resolução de problemas, agilidade, conhecimento de linguagem, concentração e inteligência emocional por meio de mais de 35 jogos.

Como funciona?

Os treinos, diários e que levam cerca de cinco minutos, foram criados em colaboração com especialistas em neurociência, ciência cognitiva e educação.

Você recebe um game de cada uma das categorias mentais que vai trabalhar e, assim que o termina, tem acesso a sua pontuação e a gráficos que comparam seus resultados com os dos demais usuários do aplicativo (mais de 15 milhões de pessoas) e também com seu próprio histórico. Dá para treinar com um “coach virtual”, que vai ajudá-lo a monitorar seu progresso e a melhorar suas habilidades.

O aplicativo está disponível em português, o que facilita o treinamento de competências como o desenvolvimento da linguagem.

Quanto custa?

É gratuito, mas muitas funcionalidades só são liberadas com a aquisição do Peak Pro, que sai a partir de US$ 3 mensais

 

Jogos Mentais

(Divulgação/VIP)

O que faz?

Tem mais de duas dúzias de jogos de concentração, velocidade de resposta, memória, flexibilidade mental e conhecimento de linguagem.

Como funciona?

Você escolhe o tipo de jogo que quer entre as opções acima. Cada um dura menos de três minutos e, ao final, você conhece sua pontuação e uma comparação entre seu resultado e os obtidos por pessoas de sua faixa etária.

Todos os jogos incluem seu histórico de pontos e um gráfico da evolução.

A pontuação em cada game também é convertida numa escala comparativa que lhe permite descobrir quais de suas habilidades mentais são mais fortes e em quais é preciso trabalhar mais.

Quanto custa?

É gratuito, mas você vai precisar em algum momento fazer o que o app chama de “atualização” – ou seja, pagar US$ 5 – para continuar jogando. Alguns dos games permitem que você jogue até três vezes sem precisar “atualizar”.