Seu próximo Sensei será um robô mais habilidoso que o Mike Tyson

Lutador robótico permite treinamentos de sparring (quase reais), com avançados ajustes de velocidade e intensidade

botboxer

 (BotBoxer/Reprodução)

De bolas de areia a sacos de pancada, são vários os equipamentos usados para treinarmos nossas habilidades de luta, certo?

Mas ainda que exista uma série de objetos desenvolvidos para o aprimoramento técnico, coisas como reflexo e estratégia de luta que exigem dois seres humanos.

E não há como escapar disso (nem mesmo desviando).

Pensando nessa dependência de socos e jabs de “carne e osso”, a empresa SkyTechSport pensou em uma solução.

A companhia criou o BotBoxer, um robô de treinamento criado para simular ao máximo a performance de um boxeador real.

O equipamento de alta tecnologia consiste em um base mecânica ajustável, que pode substituir um treinador ou um companheiro de treinos.

De acordo com os desenvolvedores, os diferentes níveis de velocidade fazem do Rocky Balboa biônico um mito.

Se programado corretamente, a máquina supera a agilidade dos maiores campeões do boxe e de pugilistas do MMA.

 

Por dentro do campeão de lata

botboxer-4

 (BotBoxer/Reprodução)

Os componentes do BotBoxer precedem seu sucesso no ringue.

A base conta com três motores potentes, que permitem movimentos rápidos e direcionados em vários sentidos.

Um sistema sensível a movimentos também faz a máquina reagir aos socos, por isso dando a sensação de que se trata de um boxeador de verdade.

De acordo com a equipe, o objetivo é criar maior velocidade nos golpes e simular ataques em tempo real.

Para determinar diferentes níveis de velocidade, os sensores podem ser ajustados em uma tela touchscreen.

Nela é possível programar a angulação dos movimentos, intensidade e, claro, a dificuldade para golpear e desviar.

A complexidade do gadget-lutador é tão grande que até boxeadores experientes podem acabar suando bicas.

botboxer-3

 (BotBoxer/Reprodução)

Para que não haja uma revolução das máquinas, é possível diminuir a frustração e adaptar as funções para que um treino não se transforme em uma surra.

Para isso, o tempo de oposição do saco de pancadas pode ser alterado, bem como a quantidade de erros do robô.

Além disso, a espuma tem sensores que paralisam a estrutura a cada soco humano, criando a ideia de que o golpe foi sentido.

O maquinário futurístico de socos já está em fase de pré-venda – chega ao mercado em setembro desse ano.

Para adquirir, o valor é de U$ 19 mil (aproximadamente R$ 76 mil).

Newsletter Conteúdo exclusivo para você