Arte e gastronomia fazem de Málaga, na Espanha, a nova Barcelona

Um guia insider da cidade espanhola que vai roubar a cena turística e cultural no próximo verão europeu

Málaga

 (Málaga/Reprodução)

Com 300 dias de sol ao ano, o balneário da Costa del Sol tem um clima quase tropical em meio a Andaluzia.

Ali, brotam pés de manga, frutas-do-conde e abacate – um arsenal exótico na aridez da região.

Nos meses de sol (que vão de maio a agosto), a cidade tem cheiro de sardinha na brasa, uma entidade local preparada principalmente nas barracas de praia, também conhecidas como chiringuitos.

A tradição é arrematada pelos churros e o vinho doce, à base das uvas pedro ximénez e moscatel de alejandría.

Ao alto, vista aérea do Centro Histórico. Acima, o mercado noturno, comum nas ruas de Málaga

A inauguração do Museo Picasso Málaga (foto), em 2003, causou revolução cultural na cidade.

 

Málaga 2

 (Málaga/Reprodução)

A cidade já foi taxada de “nova Barcelona” pelo jornal britânico Daily Mail e apontada como o hub cultural do sul da Espanha pelo New York Times.

Nos últimos anos, está cada vez mais popular a presença de europeus que desejam aprender o espanhol e jovens do mundo todo de férias, sempre a fim de botecagem e dias quentes na orla de La Malagueta.

A quantidade de bares novos no centro foi tamanha que a prefeitura de Málaga cogita decretar uma moratória de licenças e limitar o horário.

Enquanto isso não acontece, programe-se para estar lá já no próximo verão.

À noite, tome os primeiros tragos na Antigua Casa del Guardia, onde os vinhos doces são servidos direto do barril e a conta vai sendo anotada com giz no balcão de madeira centenário.

Depois, vá de bar em bar na Plaza Mitjana, que lota de segunda a segunda.

Termine no Liceo, o club número 1 da cidade.

 

Eternamente Picasso

Museo Picasso

 (Museo Picasso/Reprodução)

Com estreia em 24 de abril, a segunda temporada da série Genius, do canal National Geographic, fará um raio x de Pablo Picasso.

O artista será interpretado por Antonio Banderas, que convenceu o diretor Ron Howard a rodar parte da série em Málaga, cidade natal do ator e do personagem.

Mesmo 30 anos após a morte do gênio cubista, a inauguração do Museo Picasso Málaga em 2003 desencadeou uma revolução local.

Instalado no Palacio de Buenavista, do século 16, o museu foi recheado com doações da família.

São quase 300 obras das principais fases do artista. Quem quiser se aprofundar na biografia dele ainda pode visitar o Museo Casa Natal, instalado no casarão onde nasceu, e a Iglesia de Santiago, onde foi batizado.

Desde então, mais de 15 museus de peso foram inaugurados – o governo investiu para transformar Málaga em novo hub cultural do sul do país.

A mais recente aquisição foi a filial parisiense do Centre Pompidou. Inaugurado em 2015, custou 7,7 milhões de euros e recebeu mais de 500 mil visitantes.

A ideia era que o acervo ficasse até 2020, mas foi prorrogado para 2025.

Ainda tem:

O Museo Ruso, que expõe a fina flor da arte russa e o Museo Carmen Thyssen, que ilustra a linha do tempo da pintura espanhola com o acervo da baronesa Carmen Thyssen.

Também, o Museo Automovilístico y de la Moda, instalado em uma antiga fábrica de tabaco desde 2010, que faz a combinação entre 90 carros raros dos séculos 19 e 20, peças de alta-costura e design.

Aproveitando os bons ventos, a cidade de 600 mil habitantes ainda reformou o porto decadente, abriu-se ao Mediterrâneo e ganhou um Soho para chamar de seu.

Por essas e outras, recebeu 1,3 milhão de visitantes em 2017 (recorde absoluto).

 

Recauchutagem geral

Centro Histórico Málaga

 (Commons Wikipedia/Reprodução)

O Centro Histórico com casarões em tons pastel e praças pontilhadas de palmeiras foi restaurado na última década.

Antonio Banderas acaba de comprar o bar mais famoso dos arredores, El Pimpi, e está reformando o tradicional Teatro Alameda, onde deve estrear uma peça em 2019.

Também ganhou nova vida o Mercado de Atarazanas.

A estrutura de ferro modernista do século 19 foi inspirada no Les Halles, de Paris, e erguida no lugar onde, no século 14, funcionava um estaleiro árabe (a porta em forma de ferradura é um suvenir da antiga construção).

Vale dar uma circulada e provar um gaspacho nos botecos onde os locais almoçam.

Em 2012 ficou pronta a obra do antigo porto, que funcionava como um obstáculo entre a parte antiga da cidade e o mar.

O cais decadente deu lugar ao complexo Muelle 1 e ao Palmeral de las Sorpresas, com um calçadão à beira-mar sombreado por uma estrutura ondulada projetada pelo escritório Junqueras, de Madri.

Hoje em dia, os 500 mil cruzeiristas que desembarcam por ano no píer só precisam atravessar o magnífico Jardim Botânico para chegar até as atrações malaguenhas, influenciadas por fenícios, cartagineses, romanos e árabes.

Com 3 mil anos de história, a cidade tem uma catedral do século 16 erguida sobre uma mesquita ancestral, um castelo do século 14 e o Alcazaba, fortaleza árabe do século 11 que se debruça sobre um espetacular teatro romano do século 1 a.C.

No verão, o lugar é palco de shows, peças de teatro e balés ao ar livre.

 

A cena hipster

Mercado Noturno

 (Málaga/Reprodução)

A renovação do porto se estendeu ao bairro adjacente e, como toda cidade hype, ganhou um Soho para chamar de seu– ou seja, um distrito ocupado por designers, artistas, boêmios e afins.

A cena hipster orbita em torno do Centro de Arte Contemporânea, que abrigou exposições e performances de artistas como Marina Abramovic e Banksy.

Mas a pegada vanguardista extrapola os limites do museu em projetos como o MAUS, que convocou artistas de rua para dar cor ao entorno.

Não estranhe, portanto, ao constatar que é Málaga, e não Barcelona, a cidade espanhola mais influente no Google Street Art Project, com 93 trabalhos nessa galeria visual de arte urbana.

Nos primeiros sábados do mês, rola mercado de moda na Calle Tomás Heredia.

E, entre um grafite e outro, há lugares tentadores para uma cerveja artesanal, como o El Rincón del Cervecero e Recyclo Bike Cafe, e restaurantes badalados, como o Oleo.

 

Uma vez em Málaga…malaga

BEIRA-MAR
Pegue praia nos beach clubs da vizinha Torremolinos, onde os corpos mais bem torneados de Málaga douram ao sol.

ALMOÇO
Para especialidades espanholas, reserve uma mesa no Pez Tomillo, na Playa del Pedregal, a 5 km do centro.

CAMPO
Conheça o vilarejo branco de Mijas vencendo as ladeiras de burro táxi (sim, isso mesmo), a 31 quilômetros.

LANCHE
Dê uma escapada romântica até o vilarejo de Antequera, famoso pela boa mesa e seus polvorones (biscoitos de amêndoas), a 48 km.

NOITE
Vá ao triestrelado Michelin Dani García e caia na night-ostentação de Marbella, a 65 quilômetros.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você